segunda-feira, 30 de junho de 2014

Cientistas descobrem um dos planetas mais semelhantes à nossa Terra

Segundo os astrônomos, o exoplaneta, situado a 16 anos-luz daqui, seria potencialmente habitável

Depois da descoberta do Kepler-186f e do Gliese-667Cf , entre outros similares, os cientistas estão animados com a confirmação de mais um exoplaneta que é muito semelhante ao nosso. Uma equipe internacional de astrônomos descobriu esse exoplaneta na zona habitável da estrela Gliese 832, contendo as distâncias que poderiam permitir que a água líquida existisse em sua superfície.
O planeta em questão é o chamado Gliese 832c, que fica situado a 16 anos-luz da Terra, mas é bem maior do que o nosso mundo. Ele é como uma "superTerra", tendo pelo menos cinco vezes a massa de nosso planeta e orbitando em torno de sua estrela-mãe a cada 36 dias.
No entanto, a sua estrela-mãe é uma anã vermelha que é muito mais escura e mais fria do que o nosso amado Sol. Mas o Gliese 832c recebe em média o mesmo tanto de energia estelar que a Terra, apesar de orbitar muito mais próximo de sua estrela.

Pesquisas


Entre todos os exoplanetas já descobertos e comparados à nossa Terra, de fato, o Gliese 832c é um dos mais semelhantes, de acordo com uma métrica de pesquisa utilizada pelos astrônomos — segundo afirmou ao Space.com Abel Mendez Torres, diretor do Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Porto Rico em Arecibo.
"O Índice de Similaridade Terra (ESI) do Gliese 832c (ESI = 0,81) é comparável ao Gliese-667Cc (ESI = 0,84) e Kepler-62e (ESI = 0,83)", escreveu Mendez em um comunicado à imprensa no dia 25 de junho.  Vale ressaltar que uma perfeita "Terra gêmea" teria um ESI de 1.
"Isso faz com que o Gliese-832c seja um dos três principais planetas mais parecidos com a Terra de acordo com o ESI e o mais próximo à Terra de todos os três — um objeto privilegiado para observações de acompanhamento", acrescentou Abel Mendez.
Uma equipe liderada por Robert Wittenmyer, da Universidade de New South Wales, na Austrália, descobriu o Gliese-832c por perceber as pequenas oscilações de gravidade do planeta induzidas pelo movimento de sua estrela-mãe.
Eles avistaram essas oscilações em dados coletados por três instrumentos separados: o espectrógrafo no telescópio Anglo-Australiano da University College London Echelle, na Austrália, espectrógrafo no telescópio Magellan II, no Chile, e no High Accuracy Radial Velocity Planeta Searcher (HARPS), em La Silla, também no Chile.
Mas esse não é o primeiro planeta encontrado na órbita dessa anã-vermelha. O outro, o Gliese- 832b, foi descoberto em 2009, sendo um gigante gasoso que orbita muito mais longe, levando cerca de nove anos para completar uma órbita.

Quente

No entanto, ainda não está totalmente claro no momento de quantas formas o Gliese-832c Gliese se assemelha a Terra. Mas os astrônomos acreditam que existam similaridades, porém também acham que ele seja mais quente, sofrendo de um efeito-estufa.
Segundo eles, a massa do Gliese-832c sugere que esse exoplaneta provavelmente tenha uma atmosfera muito mais densa do que a da Terra, o que poderia tornar o seu clima quente e volátil. Se este for o caso, ele pode ser até mais parecido com um “superVênus”.
"Se o planeta tem uma atmosfera semelhante à da Terra, pode ser possível sobreviver, apesar de que as mudanças sazonais seriam extremas", disse o Professor Chris Tinney, da Universidade de South Wales. De qualquer e toda forma, o Gliese-832c ainda é um dos planetas mais semelhantes à Terra já encontrados.