domingo, 3 de agosto de 2014

Próxima Parada: Escócia – conheça melhor o país do uísque

 Na próxima parada de hoje você vai dar uma voltinha pela Escócia, então inspire-se e siga nosso conselho: aperte o play no vídeo abaixo e já entre no clima do país de hoje, pelo menos musicalmente falando. Boa viagem!

Se você é do tipo que se encanta com cenários naturais, cheios de verde e que, de quebra, têm um toque frio, já dá para começar a pensar na Escócia como o destino para a sua próxima viagem. Não é à toa que o turismo é uma das principais formas de lucro em terras escocesas. Nesse caso, o foco principal está em atrações que envolvem trilhas e programações naturais, além da devida exploração de questões históricas.
Já no quesito industrial, o país é pioneiro e inovador em setores que envolvem Ciência, tecnologia, energia e serviços financeiros. Além, é claro, da exportação de produtos como os deliciosos biscoitos escoceses e, claro, o uísque, que é bastante popular em todo o mundo. A menor destilaria, Edradour, em Pitlochry produz 90 mil litros por ano e recebe 100 mil visitantes anualmente.

Geografia


A capital escocesa é Edimburgo, mas a maior cidade é Glasgow. Lá, você vai ouvir os cidadãos falando em inglês ou em gaélico escocês – muito parecido com a Irlanda. O governo é monárquico, afinal o país é parte do Reino Unido, então a rainha é a Elizabeth II. A Escócia é um país relativamente pequeno, mais ou menos do tamanho do Panamá, e sua população total é de 5,2 milhões de pessoas. Se você resolver ir para lá, não esqueça que a moeda local é a Libra Esterlina.
Fazendo divisa com a Inglaterra, a Escócia tem uma região surpreendente de 790 ilhas, sendo que 130 delas são habitadas. Aliás, é em uma dessas ilhas que está a construção mais antiga da Grã-Bretanha, datada de 3200 A. C. A construção é conhecida como Skara Brae e fica na Baía de Skail, nas ilhas Órcades. A capital Edimburgo foi construída sobre sete colinas e tem mais edifícios do que qualquer outra cidade do mundo.

O que há para fazer



A verdade é que a Escócia é cheia de coisas legais para fazer. Se você tiver como ir até o Mausoléu Hamilton, em South Lanarkshire, experimente a sensação de dar um grito no lugar com a capacidade de produzir o maior eco do mundo, com duração de 15 segundos!
O lago Ness, famoso pelo suposto “monstro”, fica na Escócia também, em Highland. Ele é estreito e longo, atingindo 37 km de extensão, e a primeira aparição do monstro foi retratada em 565 D.C., quando a “besta marítima” teria atacado pela primeira vez. Imagina que incrível conhecer esse lago de pertinho?


Na hora de fazer uma boquinha é preciso tomar cuidado para não comer algo que normalmente embrulharia seu estômago. Um dos pratos típicos da cultura escocesa é o haggis (foto acima), que nada mais é do que uma mistura do coração, do fígado e dos pulmões de ovelhas. Para cozinhar, tudo vai dentro do estômago do animal. E aí, abriu seu apetite?
Como você já deve saber, a música escocesa tem uma boa base na gaita de fole, então você vai encontrar vários artistas de rua, com ou sem seus kilts, usando o desengonçado instrumento. E se você tiver a oportunidade de conhecer de perto a dança escocesa, conhecida como highland dancing, melhor ainda. Assista ao vídeo abaixo e nos conte o que achou:

As valas de Edimburgo


A capital escocesa abriga uma série de valas subterrâneas, que estão abaixo da South Bridge, onde também fica a primeira rua construída com a finalidade de se tornar um centro comercial. A ponte foi feita, na verdade, para conectar duas encostas. A estrutura tem 19 arcos e chega a ter 9,5 metros de altura em certos pontos e a alcançar 7 metros subterrâneos.
Com o passar do tempo, a rua/ponte se tornou popular pelo número de lojas e de armazéns e porões. Ao longo dos anos a estrutura subterrânea, que não foi feita com material à prova d’água, começou a ficar danificada pela chuva, e as lojas subterrâneas foram fechadas e abandonadas.
Esses lugares acabaram se tornando de tudo um pouco: desde pubs sombrios até abrigos para imigrantes. Durante a Grande Fome da Irlanda, muitos moradores do país vizinho foram para terras escocesas e as instalações abaixo da ponte acabaram servindo de refúgio para essas pessoas, tanto que a área ficou conhecida como “Pequena Irlanda” nos anos de 1800.


As pessoas que viviam na região eram proibidas até mesmo de escrever a respeito, afinal os abrigos ali eram ilegais. Depois disso, no final de 1800, os abrigos eventualmente foram abandonados e só voltaram a ser encontrados em 1988, quando um comprador de um imóvel no local decidiu conhecer melhor a região.
Hoje as valas são conhecidas como lugares assombrados. Algumas pessoas afirmam ouvir vozes e arranhões na região. Se você gosta dessas histórias, fica uma boa dica para um turismo alternativo. Além da South Bridge, você pode visitar também a Universidade de Medicina de Edimburgo, que tem os restos mortais expostos de um antigo vendedor de cadáveres, William Bruke.
O cara matava moradores das valas e vendia seus corpos para a universidade, que os utilizava em aulas de anatomia. Quando descobriram como ele conseguia os corpos, o enforcaram e o dissecaram em público. A pele do morto serviu para a confecção de carteiras e outros acessórios. Hoje você pode visitar os restos mortais de Burke na Universidade de Medicina de Edimburgo.

Temidos pelos vikings


Os nórdicos influenciaram muito a cultura escocesa, primeiro conquistando muitas ilhas pequenas no século XI e depois se apossando a principal ilha britânica. Se por um lado você pensa nos vikings como sanguinários e violentos, vale saber que a vida familiar viking era muito importante para eles, tanto que os homens levavam suas esposas com eles sempre que tinham conquistado um novo lugar.
Para os nórdicos, a Escócia era um ponto vital e obrigatório em suas trajetórias. Os vikings, apesar da brutalidade com a qual se apresentavam em batalhas, tinham um cuidado especial quando o assunto era a Escócia. Relatos vikings de 1200 descreviam a Escócia como um lugar sombrio e perigoso, com moradores violentos que falavam um idioma impossível de ser entendido. Eles não chegavam nem a saquear a população local.

Mais curiosidades

  • Um dos esportes considerados mais tradicionais do país é o golfe, que é praticado em terras escocesas desde o século XV;
  • Ao que tudo indica, durante sua visita a Highlands, a rainha Victória fumou muitos cigarros na tentativa de afastar os mosquitos;
  • O ponto de maior altitude da Escócia é o Bem Nevis, que tem 1.300 metros de altura;
  • Um dos lemas mais populares na cultura escocesa é “ninguém me provoca impunemente”. Forte, hein?
  • O Lago Morar tem 328 metros de profundidade e é considerado o 17º lago mais fundo de todo o planeta;
  • A árvore mais velha da Europa fica na Escócia. Ela tem 3 mil anos de idade!


  • O animal que representa a Escócia é o unicórnio;
  • A capa de chuva foi inventada por Charles Macintosh, um químico de Glasgow, em 1824. O adereço é conhecido como “Mac” na Grã-Bretanha;
  • A televisão foi inventada por John Logie Baird, em 1925; o telefone por Alexander Graham Bell, em 1876; e a penicilina por Alexander Fleming, em 1928. Todos escoceses.
  • O primeiro hospital universitário da América foi fundado por um cirurgião de Glasgow, Granville Sharo Pattison, em 1816;
  • O uísque, bebida escocesa famosa, foi inventado, na verdade, na China. Depois começou a ser destilado por monges irlandeses no século XV e somente cem anos depois chegou à Escócia;
  • A bandeira escocesa é uma representação da cruz de St. Andrews, o padroeiro do país;
  • A Escócia tem a maior proporção de pessoas ruivas no mundo. Estima-se que 13% de todos os moradores do país são ruivos e 40% carreguem o gene recessivo;

  • Glasgow é a terceira “capital da morte” da Europa, com um dos maiores índices de assassinatos. A cidade é considerada mais violenta do que o Rio de Janeiro, proporcionalmente falando. E olha que o número de armas lá é muito pequeno!
  • Alguns pubs em Glasgow não permitem que as pessoas usem roupas com as cores de times de futebol, justamente para evitar briga;
  • Acredita-se que a Escócia era completamente separada da Inglaterra nos tempos da Pangeia;
  • O zoológico de Edimburgo é famoso por promover um desfile de pinguins diariamente;
  • A maior biblioteca pública da Europa fica em Glasgow. Se você estiver por lá, não deixe de conhecer a Mitchell Library;
  • Glasgow é a cidade britânica com maior número de parques. Lá também é possível encontrar muitos fósseis.
  • Entre os atores famosos estão Sean Connery, Tilda Swinton, Ewan McGregor, Gerard Butler e Dougray Scott;
  • O voo mais curto do mundo é operado por uma companhia aérea escocesa e dura menos de dois minutos.